terça-feira, 11 de agosto de 2009

Cheiros e cheiros...

( Este texto recebi de minha comadre Rubiane, ela enviou como comentário para este meu blog, entretanto decidi públicá-lo para partilhar com vocês, é interessante., confira...)


Se há uma coisa que onde há diferença entre brasileiros e portugueses é na hora de despedir-se. Os brasileiros não costumam gostar de dizer adeus, talvez porque “adeus” significa algo mais duradouro que “até mais ver”… ou “até outro dia”. Não acham??? Mas há outra com relação a isso que acho interessante e gostava de comentar que é a estoria do cheiro… sim, sim.. do cheiro.. Não o cheiro que tem o povo ou outro.. mas o cheiro, a palavra cheiro… ou cheirinho na hora de despedir-se de alguém. Eu por acaso prefiro antes dizer… “então a gente se fala, um cheiro” e sabem porque? Porque acho que é algo mais pessoal, mas íntimo, mais carinhoso… talvez porque eu associe “cheiro/cheirinho” ao gesto de dar um cheiro que geralmente costuma ser na parte lateral do pescoço (lá no Ceará, minha terrinha, a gente dá cheiro é no cangote mesmo! Hehehe)… acho algo muito especial, e talvez é por isso que não mandamos cheiros para qualquer pessoa… é mesmo pra pessoas queridas.

E quem está a ler isto deve estar a pensar que o título tem a ver com que acaba de ler mas gostava também de fazer referência a outro cheiro..àquele ao qual associamos certas lembranças da infância, certas pessoas, certos acontecimentos, e porque não.. certas comidas… a este refiro-me agora… e porque? Porque hoje estive a fazer um bolo que amo de paixão… um bolo para mim muito especial porque lembra uma época muito especial d aminha vida (os meus primeiros anos aquí na Europa) e também porque quem me ensinou foi a minha querida amiga, irmã e comadre “comandante” deste blog… isso mesmo Paulinha… o cheiro do nosso Picado de abelha. E o meu Picado de abelha hoje fez-me lembrar de ti. Não é que eu não me lembre de ti em outras ocasiões mas hoje lembrei de nós duas na cozinha… de que eu devorava o bolo todo, e de que em ocasiões tivemos que fazer dois bolos: um para comer enquanto eu estava a passar férias com vocês, e outro que eu trazia num taperware a Valladolid e ia comendo, pouco a pouco, saboreando cada pedaço e morrendo de pena porque eu não ia comer outro até te ver outra vez (entre outras coisas porque nos apartamentos universitários onde eu morava não havia forno para eu pôr em práctica a receita).

Acho que há cheiros (alguns deles perfumes) e músicas que nos fazem voar no tempo…que em questões de segundos nos teletransportam a sítios, imagens, anedotas, pessoas, que ficaram para sempre gravadas na nossa memória. E é muito gratificante sentir estes cheiros, estas músicas.. e por momentos fechar os olhos e recordar coisas vividas..faz-nos sentir-nos mais vivos, mais felizes, se calhar porque assim percebemos que temos coisas que recordar e pessoas que, por muito que passe o tempo, permanecem presentes não só na nossa memoria, mas também na nossa vida diária.

Obrigada por está aí amiga, irmã, comadre.

Um cheiro!!!

Rubi (10/08/09)


2 comentários:

Lin Sousa disse...

olá, como vai ? mais um selinho p vc no meu blog , bjs LIN

Mazane disse...

Adorei o texto me fez lembrar de alguns cheiros, nos dois sentidos...
os da infância
os que que se dá em quem se gosta
o quanto é bom dar cheiro em bebês!!!
Beijos!!!

Fase 2- Retornei ao Brasil após 2 meses em Portugal, vim me despedir do meu irmão que inesperadamente foi dignosticado com CA terminal Pe...