sexta-feira, 5 de junho de 2009

Reflita...

Hoje trago para vocês um texto que a minha querida Júlia encontrou dentro de um livro que foi emprestado por sua avó. O papel estava um pouco amassado mas dava para lê bem. Perguntando a avó quem tinha escrito este texto, a mesma disse que foi uma amiga que a ofereceu.,
Não sabemos o autor deste mas agradeço de coração a Júlia por todos os textos que a mim tem enviado, a Julia tem distribuido aqui linda palavras
Vejam este, eu adorei...

Há algum tempo atrás, li um livro que comparava a vida a uma viagem de trem. Uma leitura extremamente interessante, quando bem interpretada.

Isso mesmo, a vida não passa de uma viagem de trem, cheia de embarques e desembarques, alguns acidentes, surprêsas agradáveis em alguns embarques e grandes tristezas em outros.

Quando nascemos, entramos nesse trem e nos deparamos com algumas pessoas que julgamos, estarão sempre nessa viagem conosco : Nossos pais. Infelizmente, isso n é verdade; em alguma estação eles descerão e nos deixarão órfãos de seu carinho, amizade e companhia insubstituível... mas isso não impede que, durante a viagem, pessoas interessantes e que virão a ser super especiais para nós, embarquem.

Chegam nossos irmãos, amigos e amores maravilhosos.

Muitas pessoas tomam esse trem apenas a passeio. Outros encontrarão nessa viagem somente tristezas. Ainda outros circularão pelo trem, prontos a ajudar a quem precisa. Muitos descem e deixam saudades eternas, outros tantos passam por ele de uma forma que, quando desocupam seu acento, ninguém nem sequer percebe.

Curioso é constatar que alguns passageiros que nos são tão caros, acomodam-se em vagões diferentes dos nossos; portanto, somos obrigados a fazer esse trajeto separados deles, o que não impede, é claro, que durante o trajeto, atravessemos com grande dificuldade nosso vagão e cheguemos até eles... só que, infelizmente, jamais poderemos sentar ao seu lado, pois já terá alguém ocupando aquele lugar.

Não importa, é assim a viagem, cheia de atropelos, sonhos, fantasias, esperas, despedidas... porém, jamais, retornos. Façamos essa viagem, então, da melhor maneira possível, tentando nos relacionar bem com todos os passageiros, procurando, em cada um deles, o que tiverem de melhor, lembrando, sempre, que, em algum momento do trajeto, eles poderão fraquejar e, provavelmente, precisaremos entender porque nós também fraquejaremos muitas vezes e, com certeza, haverá alguém que nos entenderá.

O grande mistério, afinal, é que jamais saberemos em qual parada desceremos, muito menos nossos companheiros, nem mesmo aquele que esta ao nosso lado!

Bjus

1 comentário:

Maria Julia disse...

Pra você Paulinha,hj relendo todos os nossos emails me peguei pensando em tudo q tava la escrito e assim resolvi escrever pra vc.....

q o dia de hj esteja trazendo a vc o novo
a mudança e o grande vôo

q o agora seja vibrante em seu coração sem
projetos futuras como vc ja me disse lembra? sem memorias passadas

experimente o abandono de tudo de ruim q aconteceu a vc
tente ser
como o passarinho q canta la fora nesse exato momento

Ser como a arvore q faz a sombra amena

como o Sol que reflecte vida a cada segundo

sinta o contato, o toque suave desse dia
fechar seus olhos e tentar absorver o agora

absorva a grandiosidade q é oferecida a vc quando abre
realmente os braços para receber sem magoas ou angustias

que vc saiba abandonar as magoas as tristezas e voe em
direcção ao brilho da vida q ta recomeçando agora,com tudo de melhor que a vida tem pra te oferecer.
bjus
Julia

Ocorreu um erro neste dispositivo